#1 Guia Turístico

 

6 profissões para quem gosta de viajar

 

A reposta óbvia passa pelo setor do Turismo e praticamente todas as profissões desta área poderiam ser colocadas nesta lista. Contudo, escolhemos a profissão de guia turístico. Afinal de contas, estes são os e as profissionais responsáveis por apresentar a cultura e história de cada região. Dentro desta premissa, podemos encontrar trabalhos especializados em gastronomia, ecoturismo, património, negócios ou eventos, por exemplo. Um profissional nesta área deverá ter competências de comunicação (para a partilha de conhecimento), organização (na gestão de tempos, horários, recursos, etc…) e adaptação (de forma a responder às diferentes necessidades dos clientes).

 

#2 Fotógrafo/a

 

6 profissões para quem gosta de viajar


A probabilidade de um/a fotógrafo/a viajar estará sempre dependente da sua especialização. Contudo, a Fotografia abre bastantes portas para quem gosta de viajar. Trabalhos em jornalismo, comunicação ou publicidade podem envolver, frequentemente, deslocações. De acordo com o Instituto Português de Fotografia, um/a fotógrafo/a deverá aliar ao conhecimento técnico, capacidade de comunicação (na elaboração de portfolio e no relacionamento com o cliente) e gestão (na elaboração de orçamentos sustentáveis mas competitivos). Isto, claro, sem esquecer a criatividade e inovação que marquem a diferença do seu trabalho.

 

#3 Técnico/a de Logística

 

pexels photo 2226458

 

A inclusão nesta lista poderá surpreender-te. Contudo, um profissional na área da Logística poderá viver, praticamente, em viagem. Isto porque esta área se ocupa das deslocações (por vezes complexas) de produtos: da produção até ao momento da última entrega, muitas vezes acompanhando partes do processo. O objetivo é reduzir ao máximo os custos e o tempo dos processos (de armazenamento, distribuição, informáticos, etc…). Por essa razão, um profissional deve ser, realça os especialistas, flexível, ter disponibilidade de horários e para viajar, gostar de trabalhar em equipes, saber outras línguas e ter conhecimentos de informática.

 

#4 Comissário/a de Bordo

 

pexels photo 2707704

 

De todas as profissões presentes nesta lista, é esta que ganha, seguramente, o campeonato dos quilómetros percorridos. Estas são as faces mais conhecidas da aviação, zelando pela segurança e bem-estar de todos os passageiros e tripulação de um avião. Para além de existirem requisitos físicos (altura mínima ou máxima, boa forma física e ausência de tatuagens ou piercings visíveis, por exemplo), é exigido o domínio da língua inglesa. Por outro lado, saber conjugar competências de comunicação, autocontrolo e autoridade será decisivo para um ou uma profissional nesta área.

 

#5 Tradutor/Intérprete

 

language 2345801 960 720

 

A natureza do trabalho destes profissionais fica clara na própria designação da profissão. O tradutor trabalha sobretudo textos (livros, revistas ou documentos), enquanto o intérprete funciona como um elo de ligação, através do discurso oral, entre pessoas que comunicam em línguas diferentes. Pelas características do seu trabalho, estes profissionais podem trabalhar em áreas como: edição de publicações, comércio, diplomacia ou atividade turística. Para além do conhecimento (muito!) aprofundado da(s) língua(s) com que trabalham, estes profissionais necessitam ainda de conhecer a(s) cultura associada(s). No caso do intérprete, a capacidade de analisar e sintetizar rapidamente é fundamental.

 

 

#6 Relações Internacionais (R.I.)

 

pexels photo 269850

 

Como podes ter reparado, esta é uma área e não uma profissão. Isto porque os profissionais de R. I. podem trabalhar e ocupar ambientes e cargos muito diversos que passam pela representação de empresas, instituições ou mesmo nações. O foco está em mediar ou conduzir as relações entre entidades de diferentes países. Gostar de viajar é importante mas não é condição única: há que ter interesse por áreas como História, Geografia e Línguas, bem como estar informado sobre a realidade política, social e económica das várias regiões e países. Do ponto de vista das competências, é importante ter pensamento estratégico, bem como capacidade de resolver conflitos e de estabelecer redes de contactos. É ainda essencial ter capacidade de empatia, sabendo compreender as diferenças.