Escola Secundária de Gago Coutinho (Alverca - Lisboa)

  

 

gago1

Quem fala assim… é Gago!

Em Alverca encontrámos uma escola vestida a rigor para os festejos de Carnaval. No meio das fantasias, falámos com os alunos da Escola Secundária de Gago Coutinho sobre o ambiente que se vive, as actividades que se praticam e a requalificação do espaço.

gago2_copy

Actividades

Como principais actividades a decorrer na EGC, os alunos destacam o Grupo de Teatro Pancadinhas, que para a Marta Paulino tem tido “bastante sucesso para um grupo escolar de pequenas dimensões”. Um sucesso que motiva os alunos a quererem participar: “Gostava que o meu horário me permitisse fazer parte do Pancadinhas”, diz a Sandra Ferrão.

martapaulino_gago3

Os alunos também enaltecem os torneios desportivos que se realizam na escola, bem como os de cariz cultural, “como os espectáculos, que também são interessantes”, refere o André Santos. Destaque ainda para o Miguel Duarte, aluno de 15 anos, que refere os “eventos em dias especiais, como teatros e peças cómicas, são importantes para mim”.

Ambiente
Consensual para os alunos da Escola Gago Coutinho (EGC), o bom ambiente que se vive consegue-se graças a pessoas “que são respeitadoras e que não criam conflitos nem confusões”, dizem o Fábio Parreira e o André Santos.

Oferta Curricular

cristiano_gago4
A diversidade da oferta curricular da EGC é melhor explicada nas palavras do aluno Cristiano Santana, de 18 anos: “A Gago Coutinho foi a única escola que me possibilitou tirar o meu curso – Técnico de Manutenção de Aeronaves”.

À espera da requalificação
O projecto de requalificação escolar ainda não chegou à EGC, e isso reflecte-se na opinião dos alunos sobre as instalações. Para a Marta Paulino, de 18 anos, “é agradável, embora as instalações estejam algo velhas”, uma opinião partilhada pelo colega Miguel Duarte, que considera “precário o estado de algumas salas” e pela Sandra Ferrão, que se congratula pelo aproximar do início das obras.

Biblioteca
Para que usam a biblioteca os alunos da EGC? Cristiano Santana, Débora Madeiras e Luís Medinas alinham todos pelo mesmo diapasão, utilizando a biblioteca “essencialmente para trabalhos. Vimos aos computadores e pesquisamos na Internet”.