O “robô da vinha” já está no terreno

  

Symington VineScout 3

Projeto financiado pelo fundo de Investigação e Inovação da Comissão Europeia pretende criar um "robô da vinha" que garanta melhorias na vitivinicultura no Douro e outras regiões da Europa. 

A empresa Symington iniciou o projeto VineScout em dezembro de 2016, com o objetivo de criar um robô capaz de fazer medições de parâmetros chave da vinha que apoiem a vitivinicultura (por exemplo, a disponibilidade de água e vigor das videiras). O "robô da vinha" será autónomo e com recurso a propulsão elétrica e energia solar, e pretende garantir melhorias na vitivinicultura no Douro e outras regiões da Europa, desta a Symington, em comunicado.

 

Esta semana, o VineScout esteve a ser testado no terreno nas vinhas da Coleção de Castas da Quinta do Ataíde (Douro Superior) da Symington, permitindo aos investigadores perceber a usabilidade do robô em contexto real de forma a avançar para a próxima etapa de desenvolvimento.

 

 

De acordo com o responsável da Symington para Investigação e Desenvolvimento Viticultura, Fernando Alves, afirma estar "muito satisfeito com o desenrolar dos ensaios práticos" e considera que o "contributo dos participantes foi de grande valor para o avanço do projeto", acrescenta a mesma fonte.

Este projeto é financiado pelo Horizonte 2020, um Programa-Quadro Comunitário de Investigação e Inovação da Comissão Europeia, com a Symington Family Estates a ser escolhida para integrar este projeto. Em nota de imprensa, a empresa destaca o facto de ser "o único player do setor vitivinícola – a nível europeu – escolhido para integrar este projeto", num consórcio formado pela Universidade de La Rioja (Espanha), Wall-YE Robots & Software (França) e Sundance Multiprocessor Technologies (Reino Unido)". 

 

 

O VineScout está orçado em mais de dois milhões de euros, sendo que o contributo da União Europeia está fixado em cerca de 1,7 milhões de euros.