IPStartupWeek #5: uma viagem pela História que termina no futuro

  

foto0

O quinto e último dia da Academia do Empreendedorismo começou com uma viagem pela história de Setúbal, passou pelo mundo das Ciências Empresariais e terminou dando destaque à criatividade dos participantes. 

Fortaleza de Sâo Filipe, Mercado do Livramento, Convento de Cristo, Centro Histórico e Galeria Municipal. Eis o percurso que inaugurou o dia dos participantes da IPStartupWeek, durante o qual o chefe da divisão de museus da Câmara Municipal de Setúbal, Luís Catalão, sublinhou algumas das informações históricas mais relevantes.

Ainda antes do início do percurso a pé, enquanto o autocarro subia a Avenida Luísa Todi, Luís Catalão foi destacando algumas das estruturas, como a Casa da Baía. O guia explicou ainda a importância histórica de Luísa Todi – cantora lírica que, durante os séculos XVIII, “pisou alguns dos palcos mais importantes do Mundo”, chegando, por exemplo, “a atuar para a corte de Catarina II, da Rússia”.

foto1

foto2

A viagem começou na Fortaleza de São Filipe, mandada construir por D. Filipe, com o objetivo de evitar ataques de piratas ou corsários, como também para controlar a população de Setúbal, leal a D. António Prior do Crato. A visita incluiu a passagem pela Capela de São Fiipe, decorada por azulejos pintados por Policarpo de Oliveira Bernardes.

foto3

foto7

Outro dos destaques vai para a passagem pelo Convento de Cristo, edifício em que Dona Justa Rodrigues Pereira, ama de D. Manuel II, teve influência particular. O monumento esteve fechado ao público durante 23 anos, até ser reaberto em 2015. Os participantes da IPStartupWeek puderam visitar os diferentes espaços – da Igreja de Jesus, passando pelo interior do Convento, hoje musealizado, onde foi possível observar obras como “Bocage e as Ninfas” de Fernando Santos.

foto5

foto6
foto8

O mundo da terapia da fala
No auditório da Escola Superior de Ciências Empresariais, com o som de fundo de um programa televisivo, os participantes usam algodão nos ouvidos e vão tentando completar frases. O quadro insere-se numa das atividades inseridas nos momentos Terapeuta por um dia e Investigador em Terapia da Fala por um dia, dinamizada por professores e diplomados do curso de Terapia da Fala da Escola Superior de Saúde do Politécnico de Setúbal.

O objetivo deste momento, explicaram os responsáveis pela atividade, passou por permitir aos estudantes colocar-se no papel de alguém que vive este ambiente de dificuldades de comuncicação, nomeadamente nos lares de terceira idade. Entre dificuldades auditivas e ruídos intensos, muitas vezes, os utentes acabam por desistir de comunicar.

foto12

Depois, os participantes realizaram quatro atividades mais específicas, centradas em alguns dos elementos do universo da terapia da fala. No Laboratório de Fala, puderam ficar a conhecer a tecnologia utilizada na investigação e apoio teraupetico prestado, nomeadamente o software de gravação e análise de voz.

Através deste programa, obtém-se um espectrograma que permite “retirar muito mais informação”, explicou o responsável pela atividade, ao representar “os diferentes sons” visualmente. A interface visual é “praticamente um gráfico a três dimensões”, acrescentou, uma vez que regista a frequência, o tempo e a intensidade.

foto13

Outra das estações dizia respeito à gaguez. Com recurso a software especializado, os estudantes puderam colocar-se no lugar de alguém com essa dificuldade. “Este workshop teve como objetivo demonstrar o que as pessoas com gaguez sentem quando querem comunicar”, explicou a professora de licenciatura em Terapia da Fala, Helena Germano.



foto11

Com este exercício foi possível perceber a frustação e vergonha muitas vezes sentidas, acrescentou a docente, que destacou ainda alguns dos conselhos a ter em conta, quando numa conversa com alguém gago: “não aconselhar calma; ter atenção à mensagem (e não à forma); manter um contacto visual natural e não terminar as frases”.

A fonética esteve em destaque noutra das estações, onde os participantes puderam interagir com o alfabeto fonético e, com recurso ao mesmo, escrever o seu nome numa espátula médica. Este alfabeto, lembrou a diplomada em Terapia da Fala, Rita Alves, “serve para escrever sons e é utilizado a nível internacional”.

foto14

Por fim, noutro dos espaços, os estudantes contactaram com “formas alternativas de comunicação”, destacou Célia Santos, outra das diplomadas que dinamizou esta atividade. Estas formas são utilizadas por pessoas que têm graves dificuldades em expressão oral – como pessoas com autismo e paralisia cerebral. Por essa razão, realçou, é importante “sensibilizar para estas formas, uma vez que estas pessoas também têm necessidade de comunicar”.

My Startup Life
Antes de jantar, os participantes finalizaram a edição dos vídeos-resumo que foram elaborando ao longo da semana. O desafio foi lançado aos estudantes logo no primeiro dia, pelo professor João Pires, que explicou o principal objetivo: “contar, em três minutos, a sua experiência esta semana”. 

Este foi um exercício, destacou o docente, sobretudo centrado na criatividade dos estudantes. Para chegar ao produto final, os participantes puderam escolher o seu caminho: “desde fazer um documentário, uma curta ou uma peça de video-arte”. Por outro lado, esta atividade serve também para “desconstruir o mito de que é preciso equipamento profissional” para fazer uma peça de qualidade, explicou João Pires.

A geração destes estudantes do secundário, realçou ainda o docente, tem “conhecimentos que as gerações anteriores não tinham, bem como recursos mais massificados”. Neste contexto, um parte importante da pedagogia passa por “educação estética”, apostando na “relação entre conteúdo e forma”.

A última sessão
Depois de jantar, realizou-se a sessão de encerramento onde cada equipa exibiu o filme realizado, foram entregues os diplomas de participação e se revelou o vídeo-resumo desta semana. 

Presente na sessão, a Vice-Presidente do Instituto Politécnico de Setúbal, Maria Fernanda Pestana, perspetivou o futuro dos participantes, fazendo votos de que a edição de 2017 da IPStartupWeek tenha sido uma experiência marcante. “Espero que esta semana tenha sido um momento muito importante e do qual vocês nunca mais se esqueçam”, sublinhou.