Os Quatro e Meia metem “os pontos nos is”

  

 

Foto Os Quatro e Meia 1

Banda lançou recentemente o seu primeiro álbum e um dos seus elementos, Mário Ferreira, contou à Forum mais sobre este trabalho e sobre as raízes do grupo.

No total, são seis elementos, naturais de diferentes zonas do país. Sertã, Braga, Carregal do Sal ou Águeda são alguns exemplos. Hoje, estão juntos num mesmo projeto musical - os Quatro e Meia - banda que lançou a 30 de junho o seu primeiro álbum de estúdio. Contudo, a história desta banda tem já quatro anos e começa num desafio lançado em Coimbra. 


Videoclip do single "Sentir o Sol"

"Foi Coimbra que nos juntou", começa por explicar Mário Ferreira, acordeonista e vocalista. Todos os elementos do grupo estudaram nesta cidade, tendo estabelecido contacto "pelos amigos dos amigos e nos ambientes académicos". Em 2013, foram desafiados a participar na gala solidária de uma academia de dança.

A importância deste espetáculo fica patente também no nome do grupo. Quando estavam a entrar em palco, ouviram perguntar pelo nome do projeto. “Não tínhamos pensado no assunto”, conta Mário. Devido à diferença de alturas entre os então cinco elementos, alguém disse “Os Quatro e Meia e o nome ficou”. Depois da entrada de um elemento adicional, “já não fazia sentido mudar o nome” que, hoje em dia, continua a “fazer todo o sentido”, explica o músico.

Os pontos nos is
"Esse primeiro concerto acabou por correr bem e fomos desafiados a continuar", recorda Mário Ferreira. Desde então, a banda tem continuado, acrescenta: “sentimos que as pessoas pedem para continuar e temos gosto no que fazemos". Entretanto, os cursos foram terminados e os elementos desempenham novas profissões, sendo que durante estes quatro anos, têm acumulado as vidas profissionais e a carreira musical.

De resto, para Mário Ferreira, esta é uma das características que define o grupo e que representa uma mais-valia. “Todos trabalham e têm uma vida para além da música – nas nossas letras referimos pormenores comuns do quotidiano e isso acaba por conectar mais facilmente com as pessoas”, explica. Para o futuro, revela Mário Ferreira, esta dinâmica será para manter.

O lançamento deste álbum é um marco para o grupo, salienta Mário Ferreira: “é o momento em que decidimos colocar os pontos nos is e lançar um álbum”, depois de três anos com o lançamento de alguns singles ocasionais. O músico define o estilo musical dos Quatro e Meia como “pop acústico”, resultante da junção de diversas sonoridades: “somos seis elementos, com vários instrumentos e influências diferentes – isso passa para as próprias músicas”.

Foto Os Quatro e Meia 2

Outra das características deste álbum é o seu “tempo de maturação”, no final de quatro anos enquanto banda, considera Mário Ferreira, uma vez que “espelha a evolução enquanto banda, grupo e estilo musical”. O resultado final deixou os Quatro e Meia satisfeitos: “o álbum espelha o que somos – músicos imperfeitos em constante evolução e, nesse sentido é um álbum honesto, sincero, como gostaríamos que a nossa música fosse entendida”.

Para além de concertos no Meo Marés Vivas (14 de julho) e no Sol da Caparica (12 de agosto), Os Quatro e Meia vão realizar um showcase na FNAC do Norte Shopping-Porto (15 de julho).