Uma visita ao passado que a UTAD quer tornar presente

  

 

Foto de Hugo Santos

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro organizou passeio que procura "afirmar a Arqueologia Industrial como motor de turismo sustentável".

Respondendo ao desafio da Direção-Geral do Património Cultural, que elegeu o tema “Património Cultural e Turismo Sustentável” para o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, o Museu de Geologia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) organizou, no dia 18 de abril, a ação “Património Natural e Cultural-potencialidades para Turismo Sustentável entre a Quinta de Prados e a Central do Biel”.

Esta ação que se traduziu num percurso pedestre desde o campus da UTAD até à antiga central hidroeléctrica de Biel, situada nas escarpas do rio Corgo, foi acompanhada pelas explicações de especialistas e permitiu "reconhecer a importância da arqueologia industrial como recurso para o turismo sustentável", sublinha a UTAD, em comunicado. No caso da velha Central de Biel, houve a preocupação de redescobrir nela os vestígios de uma indústria pioneira em Vila Real.

A 13 de junho de 1894, Vila Real tornava-se a primeira localidade do país a ter electricidade e iluminação pública a partir duma central hidroelétrica. Em 1926 a Central foi adquirida por Pires Granjo tendo ampliado o edifício e construído a primeira laje de betão em Vila Real, para instalar uma fábrica de cortumes com a montagem de um elevador até ao miradouro da Meia Laranja.

O Museu de Geologia da UTAD a decidir repeti-la no Dia Internacional dos Museus, o que acontecerá no próximo dia 18 de maio.