Hotelaria na primeira pessoa

  

IRF 21

Por ocasião do International Recruitment Forum (IRF), que se realizou em outubro, na Suiça, a Forum Estudante teve a oportunidade de falar com Sofia Rodrigues, portuguesa, ex-aluna da escola SHMS e atualmente Hospitality Program Manager da Escola César Ritz

Sofia, vivias em Portugal e hoje encontramos-te aqui. Qual foi o teu percurso?
Bem, fiz a minha licenciatura em Gestão de Empresas Turísticas e Hoteleiras em Portugal e comecei a trabalhar numa companhia aérea. Daí passei para uma cadeia de hotéis no departamento de marketing. Aí comecei a ganhar gosto pela área de hotelaria e serviço ao cliente, mas queria mais. Foi quando decidi vir para a Suíça tirar uma pós-graduação, que fiz na SHMS em Leysin. A partir daí surgiu a oportunidade de ir para fora e aproveitei. Estive dois anos nos Estados Unidos, o que foi uma experiência fantástica e depois de algum tempo e com passagens por outros locais, foi-me oferecida a hipótese de voltar à Suíça e ao Grupo SEG, como professora a tempo inteiro e neste momento sou Gestora do programa de hotelaria no César Ritz.

Como descobriste o Grupo SEG?
Comecei por procurar na internet, cursos de pós graduação em hotelaria e depois de alguma pesquisa, descobri a Multiway, onde me propuseram fazer uns testes de inglês e que me deu a conhecer em detalhe as escolas e programas SEG.

E o que achaste da Escola quando cá chegaste para estudar?
Na verdade foi um choque. Não tinha ideia da exigência de trabalho num hotel de excelência, que é o que se aprende aqui. Fiz serviço, housekeeping e também a parte mais operacional do hotel. Acabava a maior parte dos meus dias bastante tarde e cansada, mas foi uma experiência extremamente gratificante. Foi a partir daí que fiquei com vontade de aprender mais, ganhar este know-how, para um dia quando fosse manager, poder mostrar à minha equipa como se faz e não ter só a noção teórica.

IRF 20

Um aluno que decida formar-se aqui, fica, na tua opinião, preparado para trabalhar em qualquer parte do mundo?
Completamente. Falando concretamente da escola César Ritz, onde estou agora, um aluno tem três anos de programa, com dois internships obrigatórios e que tem um progresso. Começam, no primeiro internship, com dois períodos de serviço e depois disso ficam preparados para a primeira experiência na hotelaria. O segundo internship é já noutro nível, num cargo de supervisão.
No final do percurso académico, um aluno com bom aproveitamento, tem colocação nas principais cadeias hoteleiras do mundo.

Um ensino desta qualidade é indispensável para quem queira fazer carreira internacional nesta área?
Eu diria que é altamente recomendado. Apesar de termos em Portugal algumas boas licenciaturas na área da hotelaria e do turismo, aprender com esta exigência, na Suíça, numa licenciatura ou em formação avançada, abre um leque de oportunidades que de outra forma não apareceriam.
Existe aqui também um networking muito importante, de que o IRF é o exemplo. Mas também ao nível dos docentes, que são todos profissionais internacionais e dos estágios proporcionados, onde se contacta com imensos profissionais do meio. É um networking que começa no primeiro dia em que o aluno chega e que não termina. Difícil será, um bom aluno não ser notado ao longo do seu percurso académico e não começarem desde cedo a surgirem oportunidades.